segunda-feira, 24 de outubro de 2011

PROVA DO ENEM - 2011 - FÍSICA

1.    Partículas suspensas em um fluido apresentam contínua movimentação aleatória, chamado movimento browniano, causado pelos choques das partículas que compõem o fluido. A ideia de um inventor era construir uma série de palhetas, montadas sobre um eixo, que seriam postas em movimento pela agitação das partículas
ao seu redor. Como o movimento ocorreria igualmente em ambos os sentidos de rotação, o cientista concebeu um segundo elemento, um dente de engrenagem assimétrico. Assim, em escala muito pequena, este tipo de motor poderia executar trabalho, por exemplo, puxando um pequeno peso para cima. O esquema, que já foi testado, é mostrado a seguir.
                          

A explicação para a necessidade do uso da engrenagem com trava é:
a) O travamento do motor, para que ele não se solte aleatoriamente.
b) A seleção da velocidade, controlada pela pressão nos dentes da engrenagem.
c) O controle do sentido da velocidade tangencial, permitindo, inclusive, uma fácil leitura do seu valor.
d) A determinação do movimento, devido ao caráter aleatório, cuja tendência é o equilíbrio.
e) A escolha do ângulo a ser girado, sendo possível, inclusive, medi-lo pelo número de dentes da engrenagem.

RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:
Amigo, lembre-se que o movimento browniano é o movimento aleatório das articulas do fluido (como já disse o texto) assim,  o movimento das palhetas também seria aleatório, tendendo a uma situação de equilíbrio (sem a presença do bloco dependurado).
O uso da trava seleciona o único sentido para o movimento, permitindo o movimento ascendente do bloco.
RESP.: D

02.  Certas ligas estanho-chumbo com composição específica formam um eutético simples, o que significa que uma liga com essas características se comporta como uma substância pura, com um ponto de fusão definido, no caso 183°C. Essa é uma temperatura inferior mesmo ao ponto de fusão dos metais que compõem esta liga (o estanho puro funde a 232°C e o chumbo puro a 320°C), o que justifica sua ampla utilização na soldagem de componentes eletrônicos, em que o excesso de aquecimento deve sempre ser evitado. De acordo com as normas internacionais, os valores mínimo e máximo das densidades para essas ligas são de 8,74 g/mL e 8,82 g/mL, respectivamente. As densidades do estanho e do chumbo são  7,3 g/mL e 11,3 g/mL, respectivamente.
Um lote contendo 5 amostras de solda estanho-chumbo foi analisado por um técnico, por meio da determinação de sua composição percentual em massa, cujos resultados estão mostrados no quadro a seguir.
Amostra I --- 60% de Sn --- 40% de Pb
Amostra II -- 62% de Sn --- 38% de Pb
Amostra III - 65% de Sn --- 35% de Pb
Amostra IV - 63% de Sn --- 37% de Pb
Amostra    V   --      59%      de     Sn  ---          41%     de   Pb

Com base no texto e na análise realizada pelo técnico, as amostras que atendem às normas internacionais são:
a) I e II.
b) I e III.
c) II e IV.
d) III e V.
e) IV e V.

RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:
ESSA É UMA QUESTÃO SIMPLES DE DENSIDADE, DESSAS QUE COMENTAMOS VÁTIAS VEZES EM SALA DE AULA, PORÉM COM UM PEQUENINO DETALHE NAS AMOSTRAS TEMOS DOIS ELEMENTOS ( ESTANIO E CHUMBO), ASSIM A EXPRESSÃO DA DENSIDADE DAS AMOSTRAS PODERIA SER ESCRITA ASSIM:

d = %Sn . dsn + %Pb . dPb    (MÉDIA PONDERADA)
                  100%
ENTÃO VAMOS LÁ:
AMOSTRA 1
d = 60 . 7.3 + 40 . 11,3      = 8,90g/ml
                  100%
Essa densidade é maior que o valor máximo permitido.

AMOSTRA 2
d = 62 . 7.3 + 38 . 11,3      = 8,82g/ml
                  100%
Essa densidade é igual ao valor máximo permitido.

AMOSTRA 3
d = 65 . 7.3 + 35 . 11,3      = 8,70g/ml
                  100%
Essa densidade é menor que o valor mínimo permitido.

AMOSTRA 4
d = 63 . 7.3 + 37 . 11,3      = 8,78g/ml
                  100%
Essa densidade está no intervalo permitido.

AMOSTRA 5
d = 59 . 7.3 + 41 . 11,3      = 8,94g/ml
                  100%
Essa densidade é maior que o valor máximo permitido.
PORTANTO QUERIDOS ALUNOS AS AMOSTRAS QUE ATENDE AS NORMAS INTERNACIONAIS SÃO 2 E 4. QUESTÃO SIMPLES POREM BASTANTE INTELIGENTE.
RESP.: C

03. O manual de funcionamento de um captador de guitarra elétrica apresenta o seguinte texto:
Esse captador comum consiste de uma bobina, fios condutores enrolados em torno de um ímã permamente. O campo magnético do ímã induz o ordenamento dos pólos magnéticos na corda da guitarra, que está próxima a ele. Assim, quando a corda é tocada, as oscilações produzem variações, com o mesmo padrão, no fluxo magnético que atravessa a bobina. Isso induz uma corrente elétrica na bobina, que é transmitida até o amplificador e, daí, para
o alto-falante. Um guitarrista trocou as cordas originais de sua guitarra, que eram feitas de aço, por outras feitas de náilon. Com o uso dessas cordas, o amplificador ligado ao instrumento não emitia mais som, porque a corda de náilon
a) isola a passagem de corrente elétrica da bobina para o alto-falante.
b) varia seu comprimento mais intensamente do que ocorre com o aço.
c) apresenta uma magnetização desprezível sob a ação do ímã permanente.
d) induz correntes elétricas na bobina mais intensas que a capacidade do captador.
e) oscila com uma frequência menor do que a que pode ser percebida pelo captador.

RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:
 Essa é uma questão já esperada de eletromagnetismo, assunto este já debatido em sala de aula. O campo magnético do ímã induz o ordenamento dos polos magnéticos na corda da guitarra, feita de aço.
Ao trocarmos as cordas, por outras de náilon, dificultamos esse ordenamento dos polos, pois o náilon
apresenta magnetização desprezível. Com a ausência da indução eletromagnética, o amplificador ligado ao instrumento não emite som por não receber sinal em sua entrada.
Questão direta.
RESP.: C


04.  Em um manual de um chuveiro elétrico são encontradas informações sobre algumas características técnicas, ilustradas no quadro, como a tensão de alimentação, a pontência dissipada, o dimensionamento do disjuntor ou fusível, e a àrea da seção transversal dos condutores utlizados.

Uma pessoa adquiriu um chuveiro do modelo A e, ao ler o manual, verificou que precisava ligá-lo a um disjuntor de 50 amperes. No entanto, intrigou-se com o fato de que o disjuntor ao ser utilizado para uma correta instalação de um chuveiro do modelo B devia possuir amperagem 40% menor.
Considerando-se os chuveiros de modelos A e B, funcionando à mesma potência de 4 400 W, a razão entre as suas respectivas resistências elétricas, RA e RB, que justifica a diferença de dimensionamento dos disjuntores, é mais próxima de:
a) 0,3
b) 0,6
c) 0,8
d) 1,7
e) 3,0

RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:

ESTA É OUTRA QUESTÃO MUITO ESPERADA E COMENTADA EM SALA DE AULA POIS TRATA DE POTENCIA ELÉTRICA DE UM DETERMINADO APARELHO, ESTE CASO DOIS CHUVEIROS.
A QUESTÃO DIZ QUE AMBOS OS CHUVEIROS APRESENTÃO A MESMO POTENCIA ELÉTRICA, ASSIM FICA FÁCIL PARA NOSSOS ALUNOS...
 MUITO BOA, MAS JÁ FIZEMOS QUESTÕES MELHORES EM NOSSA REVISÃO, SEI QUE NÃO TIVERAM PROBLEMAS...
RESP.: A


05.  O processo de interpretação de imagens capturadas por
sensores instaladas a bordo de satélites que imageiam determinadas faixas ou bandas do espectro de radiação eletromagnética (REM) baseia-se na interação dessa radiação com os objetos presentes sobre a superfície terrestre. Uma das formas de avaliar essa interação é por meio da quantidade de energia refletida pelos objetos. A relação entre a refletância de um dado objeto e o comprimento de onda da REM é conhecida como curva de comportamento espectral ou assinatura espectral do objeto, como mostrado na figura, para objetos comuns na superfície terrestre.
                 

D'ARCO, E. Radiometria e Comportamento Espectral de Alvos. INPE.
Disponível em: http://www.agro.unitau.br. Acesso em: 3 maio 2009.
De acordo com as curvas de assinatura espectral apresentadas na figura, para que se obtenha a melhor discriminação dos alvos mostrados, convém selecionar a banda correspondente a que comprimento de onda em micrômetros (μm)?
A) 0,4 a 0,5.
B)  0,5 a 0,6.
C)  0,6 a 0,7.
D) 0,7 a 0,8.
E)  0,8 a 0,9.

RESPOSTA DO PROFESSOR:
ESSA SIM É UMA QUESTÃO MUITO INTERESSANTE, APESAR DE MUITO FÁCIL, NA MINHA OPINIÃO.

DEVEMOS APENAS OBSERVAR O GRAFICO E PERCEBEREMOS QUE, PARA OBTER-SE A MELHOR DISTINÇÃO DOS ALVOS, DEVE-SE SELECIONAR A BANDA DE COMPRIMENTOS DE ONDA EM QUE AS PORCENTAGENS DE REFLETÂNCIA NÃO APRESENTEM VALORES IGUAIS PARA MATERIAIS DIFERENTES E NÃO MOSTREM VALORES MUITO PRÓXIMOS ENTRE SI. PORTANTO, OBSERVANDO-SE A CURVA DE COMPORTAMENTO ESPECTRAL APRESENTADA, A BANDA MAIS APROPRIADA É A QUE POSSUI COMPRIMENTOS DE ONDA ENTRE 0,8 E 0,9µm.
OBSERVE AINDA, QUE NESTA FAIXA A REFLETÂNCIA DA ÁGUA É NULA, O  QUE SIGNIFICA UMA REGIÃO ESCURA DO ESPECTRO.

OBS.: FIZEMOS ALGO SEMELHANTE EM SALA DE AULA, EM UMA QUESTÃO QUE FALAVA SOBRE O LASER USADO NA MEDICINA, O PRINCÍPIO É O MESMO, OU SEJA, PARA REFLETIR, TEM QUE ABSORVER O MÍNIMO POSSÍVEL.

RESP.; E


06. Um motor só poderá realizar trabalho se receber uma
quantidade de energia de outro sistema. No caso, a energia armazenada no combustível é, em parte, liberada durante a combustão para que o aparelho possa funcionar.
Quando o motor funciona, parte da energia convertida ou transformada na combustão não pode ser utilizada para a realização de trabalho. Isso significa dizer que há vazamento da energia em outra forma.
CARVALHO, A. X. Z. Física Térmica. Belo Horizonte:
Pax, 2009 (adaptado).
De acordo com o texto, as transformações de energia que ocorrem durante o funcionamento do motor são decorrentes de a:
a) liberação de calor dentro do motor ser impossível.
b) realização de trabalho pelo motor ser incontrolável.
c) conversão integral de calor em trabalho ser impossível.
d) transformação de energia térmica em cinética ser impossível.
e) utilização de energia potencial do combustível ser incontrolável.

RESPOSTA DO PROFESSOR

ESSA É UMA QUESTÃOZINHA TÃO MANJADA...
DE ACORDO COM O 2º PRINCÍPIO DA TERMODINÂMICA, É IMPOSSÍVEL A CONVERSÃO INTEGRAL DE CALOR EM TRABALHO, SEMPRE HAVERÁ PASSAGEM DE CALOR PARA UMA FONTE FRIA (ENERGIA DISSIPADA PELA MÁQUINA). VALE LEMBRAR QUE ESTA ENERGIA DISSIPADA NÃO É UMA FATALIDADE, MAS SIM, UMA NESCESSIDADE DA MÁQUINA.
Resp.: C


07. Para que uma substância seja colorida ela deve absorver luz na região do visível. Quando uma amostra absorve luz visível, a cor que percebemos é a soma das cores restantes que são refletidas ou transmitidas pelo objeto. A Figura 1 mostra o espectro de absorção para uma substância e é possível observar que há um comprimento de onda e que a intensidade de absorção é máxima. Um observador pode prever a cor dessa substância pelo uso da roda de cores (Figura 2); o comprimento de onda correspondente à cor do objeto é encontrado no lado oposto ao comprimento de onda da absorção máxima.



Brown. T. Química e Ciência Central. 2005 (adpatado)
Qual a cor da substância que deu origem ao espectro da
Figura 1?
a) Azul.
b) Verde.
c) Violeta.
d) Laranja.
e) Vermelho.

RESPOSTA DO PROFESSOR:

OUTRA QUESTÃO FALANDO SOBRE ABSORÇÃO E REFLEXÃO DE CORES NIO ESPÉCTRO VISÍVEL.
DE ACORDO COM O ESPECTRO DE ABSORÇÃO, OBSERVA-SE QUE O COMPRIMENTO DE ONDA EM QUE OCORRE A INTENSIDADE DE ABSORÇÃO MÁXIMA É PRÓXIMO A 500 nm. POR MEIO DA RODA DAS CORES, VERIFICA-SE QUE A COR OPOSTA A ESSE COMPRIMENTO DE ONDA É O VERMELHO.
RESP.:  E


08.  Em um experimento realizado para determinar a densidade da água de um lago, foram utilizados alguns materiais conforme ilustrado: um dinamômetro D com graduação de 0 N a 50 N e um cubo maciço e homogêneo de 10 cm de aresta e 3 kg de massa. Inicialmente, foi conferida a calibração do dinamômetro, constatando-se a leitura de 30 N quando o cubo era preso ao dinamômetro e suspenso no ar. Ao mergulhar o cubo na água do lago, até que metade do seu volume ficasse submersa, foi registrada a leitura de 24 N no dinamômetro.
                              
Considerando que a aceleração da gravidade local é de
10 m/s2, a densidade de água do lago, em g/cm3, é
a) 0,6.
b) 1,2.
c) 1,5.
d) 2,4.
e) 4,8.



RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:
ESSA É UMA QUESTÃO CLÁSSICA DE HIDROSTÁTICA QUE MOSTRA A RELAÇÃO ENTRE EMPUXO, PESO E FORÇA NO DINAMOMETRO:
ð  PARA A PESAGEM NO AR: Fdin = P = 30N

ð  PARA A PESAGEM NO INTERIOR DO LÍQUIDO:
F’din = P – E
24 = 30 – E
                                         E = 6,0N

ð  DE ACORDO COM A LEI DE ARQUIMEDES:
E = µ .VSUB . g
6,0 = µ. 5x10-4. 10
µ = 12 . 102 kg/m3
µ = 1,2 . 103 kg/m3
µ = 1,2 g/cm3
RESP.: B

09.  Uma equipe de cientistas lançará uma expedição ao Titanic para criar um detalhado mapa 3D que “vai tirar, virtualmente, o Titanic do fundo do mar para o público”.
A expedição ao local, a 4 quilômetros de profundidade no Oceano Atlântico, está sendo apresentada como a mais sofisticada expedição científica ao Titanic. Ela utilizará tecnologias de imagem e sonar que nunca tinha sido aplicadas ao navio, para obter o mais completo inventário de seu conteúdo. Esta complementação é necessária em razão das condições do navio, naufragado há um século.
O Estado de São Paulo. Disponível em: http://www.estadao.com.br.
Acesso em: 27 jul. 2010 (adaptado).
No problema apresentado para gerar imagens através de camadas de sedimentos depositados no navio, o sonar é mais adequado, pois a:
a) propagação da luz na água ocorre a uma velocidade maior que a do som neste meio.
b) absorção da luz ao longo de uma camada de água é facilitada enquanto a absorção do som não.
c) refração da luz a uma grande profundidade acontece com uma intensidade menor que a do som.
d) atenuação da luz nos materiais analisados é distinta da atenuação de som nestes mesmos materiais.
e) reflexão da luz nas camadas de sedimentos é menos intensa do que a reflexão do som neste material.

RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:

O SONAR SE BASEIA NA REFLEXÃO DA ONDA NO MATERIAL A SER IDENTIFICADO.
COMO A REFLEXÃO DO SOM EM TAIS MATERIAIS É MAIS INTENSA QUE A DA LUZ, É MAIS ADEQUADO O USO DO SOM DO QUE DA LUZ NO FENÔMENO ESTUDADO, CASO A LUZ FOSSE UTILIZADA, APENAS OS SEDIMENTOS SERIAM VISUALIZADOS.
RESP.: D

10.  Os biocombustíveis de primeira geração são derivados da soja, milho e cana-de-açúcar  e sua produção ocorre através da fermentação. Biocombustíveis derivados de material celulósico ou biocombustíveis de segunda geração – coloquialmente chamados de “gasolina de capim” – são aqueles produzidos a partir de resíduos de madeira (serragem, por exemplo), talos de milho, palha de trigo ou capim de crescimento rápido e se apresentam como uma alternativa para os problemas enfrentados pelos de primeira geração, já que as matérias-primas são baratas e abundantes.
DALE, B. E.; HUBER, G. W. Gasolina de capim e outros
vegetais. Scientific American Brasil. Ago. 2009. n.° 87
(adaptado).
O texto mostra um dos pontos de vista a respeito do uso dos biocombustíveis na atualidade, os quais:
a) são matrizes energéticas com menor carga de poluição para o ambiente e podem propiciar a geração de novos empregos, entretanto, para serem oferecidos com baixo custo, a tecnologia da degradação da celulose nos biocombustíveis de segunda geração deve ser extremamente eficiente.
b) oferecem múltiplas dificuldades, pois a produção é de alto custo, sua implantação não gera empregos, e deve-se ter cuidado com o risco ambiental, pois eles oferecem os mesmos riscos que o uso de combustíveis fósseis.
c) sendo de segunda geração, são produzidos por uma tecnologia que acarreta problemas sociais, sobretudo decorrente ao fato de a matéria-prima ser abundante e facilmente encontrada, o que impede a geração de novos empregos.
d) sendo de primeira e segunda geração, são produzidos por tecnologias que devem passar por uma avaliação criteriosa quanto ao uso, pois uma enfrenta o problema da falta de espaço para plantio da matéria-prima e a outra impede a geração de novas fontes de emprego.
e) podem acarretar sérios problemas econômicos e sociais, pois a substituição do uso de petróleo afeta negativamente toda uma cadeia produtiva na medida em que exclui diversas fontes de emprego nas refinarias, postos de gasolina e no transporte de petróleo e gasolina.

RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:
OS BIOCOMBUSTÍVEIS, NA ATUALIDADE, SÃO MATRIZES ENERGÉTICAS COM MENOR CARGA DE POLUIÇÃO PARA O AMBIENTE, POIS O DIÓXIDO DE CARBONO LIBERADO EM SUA COMBUSTÃO É ABSORVIDO PELAS PLANTAS NA PRÓXIMA SAFRA, O QUE NÃO OCORRE COM OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS.
O USO DOS BIOCOMBUSTÍVEIS PROPICIA NOVOS EMPREGOS. NO ENTANTO, A TECNOLOGIA DE DEGRADAÇÃO DA CELULOSE NOS BIOCOMBUSTÍVEIS DE SEGUNDA GERAÇÃO DEVE SER MUITO EFICIENTE PARA QUE SEJAM PRODUZIDOS COM BAIXO CUSTO.
RESP.: A

11.  Um curioso estudante, empolgado com a aula de circuito elétrico que assistiu na escola, resolve desmontar sua lanterna. Utilizando-se da lâmpada e da pilha, retiradas do equipamento, e de um fio com as extremidades descascadas, faz as seguintes ligações com a intenção de acender a lâmpada:
             
GONÇALVES FILHO, A. BAROLLI, E. Instalação
Elétrica: investigando e aprendendo. São Paulo,
Scipione, 1997 (adaptado).
Tendo por base os esquemas mostrados, em quais casos a
lâmpada acendeu?
a) (1), (3), (6)
b) (3), (4), (5)
c) (1), (3), (5)
d) (1), (3), (7)
e) (1), (2), (5)

RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:
CIRCUITO ELÉTRICO COM CERTEZA ERA UM ASSUNTO JÁ ESPERADO POR NOSSOS ALUNOS.
SEI AINDA QUE TODOS LEMBRAM QUE PARA UMA LAMPADA ACENDER ELA DEVE ESTAR SUBMETIDA A UMA D.D.P. E ISSO SÓ ACONTECE EM 1,3,E 7
RESP.: D
12.  Um tipo de vaso sanitário que vem substituindo as válvulas de descarga está esquematizado na figura. Ao acionar a alavanca, toda a água do tanque é escoada e aumenta o nível no vaso, até cobrir o sifão. De acordo com o Teorema de Stevin, quanto maior a profundidade, maior a pressão. Assim, a água desce levando os rejeitos até o sistema de esgoto. A válvula da caixa de descarga se fecha e ocorre o seu enchimento. Em relação às válvulas de descarga, esse tipo de sistema proporciona maior economia de água.
          

A característica de funcionamento que garante essa
economia é devida
a) à altura do sifão de água.
b) ao volume do tanque de água.
c) à altura do nível de água no vaso.
d) ao diâmetro do distribuidor de água.
e) à eficiência da válvula de enchimento do tanque.

RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:

QUESTÃO DE HIDROSTÁTICA, BASEAGA NO TEOREMA DE STÉVIN QUE AFIRMA QUE A PRESSÃO DE UM LÍQUIDO É PROPORCIONAL A SUA ALTURA                  (P = µ . g . h), NÃO DEPENDENDO ASSIM DO VOLUME DE ÁGUA, LOGO, A CARACTERÍSTICA DE FUNCIONAMENTO QUE É RESPONSÁVEL PELA ECONOMIA DE ÁGUA É O VOLUME DE ÁGUA NO TANQUE.
O SISTEMA APRESENTADO UTILIZA SEMPRE O MESMO VOLUME DE ÁGUA NA DESCARGA, AO CONTRÁRIO DE OUTROS, NOS QUAIS O VOLUME DE ÁGUA ESCOADO É DETERMINADO PELO INTERVALO DE TEMPO EM QUE O USUÁRIO ACIONA A VÁLVULA.

13.  Para medir o tempo de reação de uma pessoa, pode-se
realizar a seguinte experiência:
I. Mantenha uma régua (com cerca de 30 cm) suspensa verticalmente, segurando-a pela extremidade superior, de  modo que o zero da régua esteja situado na extremidade inferior.
II. A pessoa deve colocar os dedos de sua mão, em forma de pinça, próximos do zero da régua, sem tocá-la.
III. Sem aviso prévio, a pessoa que estiver segurando a régua deve soltá-la. A outra pessoa deve procurar segurá-la o mais rapidamente possível e observar a posição onde conseguiu segurar a régua, isto é, a distância que ela percorre durante a queda.
O quadro seguinte mostra a posição em que três pessoas conseguiram segurar a régua e os respectivos tempos de reação.
       A distância percorrida pela régua aumenta mais rapídamente que o tempo de reação porque a
a) energia mecânica da régua aumenta, o que a faz cair mais rápido.
b) resistência do ar aumenta, o que faz a régua cair com menor velocidade.
c) aceleração de queda da régua varia, o que provoca um movimento acelerado.
d) força peso da régua tem valor constante, o que gera um movimento acelerado.
e) a velocidade da régua é constante, o que provoca uma passagem linear do tempo.

RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:

UMA QUESTÃO DE CINEMÁTICA CLASSICA DESSAS QUE A GENTE USA QUANDO VAI DAR EXEMPLOS EM SALA, É BRINCADEIRA...
QUANDO A REGUA CAI, A FORÇA RESULTANTE QUE ATUA SOBRE ELA É A FORÇA PESO, LOGO, SEU MOVIMENTO É UNIFORMEMENTE ACELERADO (QUEDA LIVRE), ASSIM:  
LOGO A DISTANCIA PERCORRIDA É PROPOSCIONAL AO QUADRADO DE TEMPO DE QUEDA DA REGUA E POR ISSO H AUMENTA MAIS RAPIDO QUE O TEMPO.
RESP.: D

14.  Ao diminuir o tamanho de um orifício atravessado por
um feixe de luz, passa menos luz por intervalo de tempo, e próximo da situação de completo fechamento do orifício, verifica-se que a luz apresenta um comportamento como o ilustrado nas figuras. Sabe-se que o som, dentro de suas particularidades, também pode se comportar dessa forma.
                      
FIOLHAIS, G. Física divertida. Brasília: UnB, 2000
(adaptado).
Em qual das situações a seguir está representado o fenômeno descrito no texto?
a) Ao se esconder atrás de um muro, um menino ouve a conversa de seus colegas.
b) Ao gritar diante de um desfiladeiro, uma pessoa ouve a repetição do seu próprio grito.
c) Ao encostar o ouvido no chão, um homem percebe o som de uma locomotiva antes de ouvi-lo pelo ar.
d) Ao ouvir uma ambulância se aproximando, uma pessoa percebe o som mais agudo do que quando aquela se afasta.
e) Ao emitir uma nota musical muito aguda, uma cantora de ópera faz com que uma taça de cristal se despedace.






RESOLUÇÃO DO PROFESSOR:
ESSA VOU COMENTAR ITEM POR ÍTEM PRESTEM ATENÇÃO E VAMOS APROVEITAR PARA FAZER A REVISÃO DOS ASSUNTOS.

a) VERDADEIRA. O fenômeno descrito nas figuras traduz a difração da luz em uma fenda, nesse fenômeno, ondas conseguem contornar obstáculos, cujas dimensões sejam compatíveis com o comprimento de onda. Atrás de um muro, um menino ouve o som por difração nos contornos do muro.
b) FALSA. O fenômeno descrito é o eco.
c) FALSA. O fenômeno em questão é a diferença entre as velocidades do som no ar e no solo.
d) FALSA. O fenômeno em estudo é o Efeito Doppler-Fizeau.
e) FALSA. O fenômeno citado é a ressonância.

15.   Uma das modalidades presentes na olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura:

Desprezando-se as forças dissipativas (resistência do ar e atrito), para que o salto atinja a maior altura possível, ou seja, o máximo de energia conservada, é necessário que
a) energia cinética, representada na etapa I, seja totalmente convertida em energia potencial elástica, representada na etapa IV.
b) energia cinética, representada na etapa I, seja totalmente convertida em energia potencial gravitacional, representada na etapa IV.
c) energia cinética, representada na etapa I, seja totalmente convertida em energia potencial gravitacional, representada na etapa III.
d) energia potencial gravitacional, representada na etapa II, seja totalmente convertida em energia potencial elástica, representada na etapa IV.
e) energia potencial gravitacional, representada na etapa I, seja totalmente convertida em energia potencial elástica, representada na etapa III

RESPOSTA DO PROFESSOR:

INICIALMENTE O ATLETA CORRE (ETAPA I), AUMENTANDO A SUA ENERGIA CINÉTICA. A ENERGIA CINÉTICA SERÁ CONVERTIDA EM ENERGIA POTENCIAL ELÁSTICA (ETAPA II) COM A DEFORMAÇÃO DA VARA. E EM SEGUIDA A ENERGIA POTENCIAL ELÁSTICA SERÁ CONVERTIDA EM ENERGIA POTENCIAL GRAVITACIONAL (ETAPA III). A MÁXIMA ALTURA H ATINGIDA PELO ATLETA CORRESPONDE A UMA ENERGIA POTENCIAL GRAVITACIONAL EP = M.g.HMÁXIMA.

ISSO CONCORDA COM A ALTERNATIVA C.

5 comentários:

  1. Nossa muito bom, adorei seu blog.
    sempre que eu precisa virei tirar duvidas aqui.
    bjos

    ResponderExcluir
  2. Excelente suas explicações, continue postando, todo conhecimento deve ser compartilhado.

    ResponderExcluir
  3. mto bom cara, nessa retinha final é só dar graças a Deus por existirem pessoas tão boas como vcs.

    ResponderExcluir
  4. Ótimo conteúdo, só faltou a resposta "explícita" da questão nº12 que é a B

    ResponderExcluir